Brasil - Segunda, 27 Fevereiro 2017

Titã tem Lagos Líquidos

Os cientistas apresentaram, na matéria que foi capa da revista Nature desta semana, evidências definitivas da presença de lagos cheios de metano líquido em Titã, uma das luas de Saturno.

Imagens de radar obtidas durante o sobrevôo de 26 de julho de 2006 foneceram provas convincentes de grandes concentrações de líquido em Titã atualmente. Uma nova imagem de radar em cores falsas dá uma amostra do que a Cassini viu. Alguns detalhes do artigo estão apresentados abaixo.

 

Imagem de radar colorizada, dos lagos em Titã - Clique para ampliarDireita: Esta vista colorizada da imagem de radar obtida pela Cassini mostra os lagos em Titã. A intensidade da cor é proporcional a quanta reflexão de radar foi retornada. As cores não representam o que seria visto a olho nu. Crédito da imagem: NASA/JPL/USGS.

 

Características do Lago:

-As manchas escuras na imagem são interpretadas como lago, baseado na refletividade muito baixa aos sinais de radar e a similaridade morfológica com lagos, incluindo os canais associados e a localização em depressões topográficas.

-As superfícies escuras são suaves e tem maior probabilidade de ser líquido, rochas, gelo ou orgânicas. Mais que 75 manchas escuras ou lagos foram vistos, variando de 3 quilômetros (1,8 milhas) até mais que 70 quilômetros (43 milhas) de largura.

-Alguns lagos parecem parcialmente secos, enquanto outros parecem estar cheios. Alguns dos lagos parcialmente cheios podem nunca ter estado totalmente cheios, ou podem ter evaporado parcialmente em alguma época no passado. Os lagos secos tem margens ou bordas e uma reflexão das ondas de radar semelhantes ao terreno à sua volta, levando a crer que eles estão completamente sem líquido.

-A forma variada como os lagos se encontram cheios sugere que nesta região eles podem ser temporários em alguma escala de tempo desconhecida.

-Aproximadamente 15 das manchas escuras parecem cheias e não mostram evidências claras de erosão. Estas manchas escuras lembram os lagos terrestres que estão confinados em crateras de impacto ou dentro de caldeiras vulcânicas. A disposição em que estes lagos se encontram e a sua limitada escala de tamanhos faz com que dificilmente eles sejam originados por impactos. Uma origem vulcânica para as depressões é possível, dada a sua aparência.

-Alguns lagos tem margens íngremes e margens muito acentuadas, sugerindo uma encosta.

-Outros lagos tem bordas mais suaves e difusas, com um gradual decréscimo na reflexão do radar em direção ao centro do lago.

-Ainda tem outros lagos tem extensões tipo canais curvos, similares em aparência aos vales de rios inundados da Terra.

-Manchas claras próximas às bordas dos lagos podem ser pequenas ilhas aparecendo na superfície. "Icebergs" flutuantes são improváveis já que a maioria dos materiais não flutuaria em hidrocarbonetos líquidos.

 

Outras observações:

-Baseado nas características dos lagos, os cientistas da Cassini acham que eles estão observando lagos cheios de líquido em Titã. Outra possibilidade é que estas depressões e canais formados no passado estejam agora cheias de um material de baixa densidade e mais escuro do que qualquer outro até agora observado em Titã. Entretanto, a ausência de estruturas formadas por ventos nesta área torna a hipótese do material de baixa densidade sem improvável.

-Estes lagos do hemisfério norte são a prova mais forte que a superfície e a atmosfera de Titã tem um ciclo hidrológico ativo, embora com um líquido condensável que não é a água. Neste ciclo, os lagos são enchidos pela chuva de metano ou por infiltração de camadas subterrâneas de metano líquido.

-À medida que as estações de Titã avançam no ciclo de 29 anos de Saturno ao redor do Sol, os lagos no hemisfério que está no inverno deveriam se expandir com as chuvas regulares de metano, enquanto no hemisfério que está no verão os lagos encolheriam ou até secariam por completo.

 

Texto traduzido do original postado no site da NASA

 

Próximo artigo | Artigo anterior

 

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017