Brasil - Quinta, 22 Junho 2017

Sal Encontrado pela Cassini Sugere um Oceano Dentro de Lua em Saturno

traduzido por Luis Gabriel

24 JUN 2009 - Pasadena, Califórnia - Pela primeira vez, cientistas trabalhando na missão Cassini da NASA detectaram sais de sódio em grãos de gelo no anel mais externo de Saturno. A detecção de gelo salgado indica que a lua de Saturno Enceladus, que é a principal abastecedora do anel com material dos jatos de descarga, poderia abrigar um reservatório de água líquida - talvez um oceano - sob a sua superfície.

Jatos azuisA Cassini descobriu em 2005 os jatos de gelo de água de Encelado. Estes jatos expelem minúsculos grãos de gelo e vapor, alguns dos quais escapam à gravidade da lua e formam o anel mais externo de Saturno. O analisador de poeira cósmica da Cassini examinou a composição desses grãos e encontrou sal dentro deles.

 

Esquerda: Cientistas de imagem da Cassini usaram imagens como esta para ajudá-los a identificar a localização das fontes de jatos individuais expelindo partículas de gelo, vapor de água e traços de compostos orgânicos a partir da superfície da lua de Saturno Enceladus.  Crédito: NASA / JPL / Space Science Institute

 

"Nós acreditamos que os minerais salgados das profundezas de Enceladus são retirados de de rochas no fundo de uma camada líquida", disse Frank Postberg, cientista da Cassini para o analisador de poeira cósmica, no Instituto Max Planck de Física Nuclear, em Heidelberg, Alemanha. Postberg é o autor principal de um estudo que aparece na Edição de 25 de junho da revista Nature.

  

Os cientistas da equipe do detector poeira cósmica da Cassini concluíram que a água líquida deve estar presente, pois é a única forma de dissolver quantidades significativas de minerais que levariam aos níveis de sal detectados. O processo de sublimação, o mecanismo pelo qual o vapor é liberado diretamente de gelo sólido na crosta, não conta para a presença de sal.

 

"As fontes potenciais de jatos em Enceladus são uma área ativa de investigação para provar a existência de um possível oceano de água salgada", disse Linda Spilker, cientista adjunta do projeto Cassini no Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena, Califórnia. "Nossas próximas oportunidades para a coleta de dados sobre Enceladus virão durante dois sobrevôos em novembro."

 

A formação dos grãos do anel mais externo, determinada quando milhares de impactos de partículas em alta velocidade foram registrados pela Cassini, fornece informação indireta sobre a composição do material do jato e do que há dentro de Enceladus. As partículas do anel mais exterior são quase puramente gelo de água, porém quase toda vez que o analisador de poeira tem verificado a composição, ele tem encontrado pelo menos algum sódio dentro das partículas.

 

"Nossas medições sugerem que além de sal, os grãos também contêm carbonatos. Ambos os componentes estão em concentrações que correspondem à composição prevista para um oceano em Enceladus," disse Postberg. "Os carbonatos também fornecem um pH ligeiramente alcalino. Se a fonte líquida é um oceano, ela poderia proporcionar um ambiente adequado em Enceladus para a formação dos precursores da vida quando associadas ao calor medido perto do pólo sul da lua e os compostos orgânicos encontrados dentro dos jatos."

 

No entanto, em outro estudo publicado na revista Nature, os pesquisadores fazendo observações terrestres não vêem sódio, um componente importante do sal. Essa equipe observa que a quantidade de sódio sendo expelido de Enceladus é realmente inferior àquela observada em torno de muitos outros corpos planetários. Estes cientistas estavam procurando pelo sódio nos jatos de vapor e não poderia vê-los nos grãos de gelo expelidos. Eles argumentam que se o jato de vapor vem de um oceano de água, a evaporação deve acontecer lentamente nas profundezas do subsolo, em vez de uma violenta erupção de um gêiser no espaço.

 

"Encontrar sal no jato dá indícios de água líquida abaixo da superfície", disse Sascha Kempf, também uma cientista da Cassini para o analisador de poeira cósmica do Instituto Max Planck de Física Nuclear. "A falta de detecção de vapor de sódio no jato dá dicas sobre como deve ser o reservatório de água."

 

Determinar a natureza e a origem do material do jato é uma prioridade para a Cassini durante o sua missão estendida, chamada de Missão Cassini Equinócio.

 

"A imagem original dos jatos como violentas erupções similares àquelas dos gêiseres de Yellowstone está mudando", disse Postberg. "Eles parecem estar mais estáveis como jatos de vapor e gelo alimentados por um grande reservatório de água. Contudo, não podemos decidir ainda se a água está atualmente "aprisionada" dentro de enormes bolsões na espessa crosta de gelo de Enceladus ou ainda ligada a um grande oceano em contato com o núcleo rochoso."

 

Texto traduzido por Luis Gabriel

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017