Brasil - Quinta, 22 Junho 2017

Cassini - Espaçonave Atravessou os Jatos Líquidos da Lua de Saturno

traduzido por Luis Gabriel

13 MAR 2008 - A espaçonave fez um ousado sobrevôo sobre a lua de Saturno Enceladus na quarta-feira, 12 de março, voando a cerca de 15 quilômetros por segundo (32.000 milhas por hora) através dos jatos de água congelada, tipo gêiseres. A espaçonave coletou preciosas amostras que podem apontar para existência de um oceano de água ou de substâncias orgânicas  dentro da pequena lua.

Os cientistas acreditam que os gêiseres possam fornecer evidências de que a água líquida está aprisionada debaixo da crosta fria de Enceladus. Os gêiseres que emanam das fraturas que existem ao longo do pólo sul da lua, ejetam vapor de água a aproximadamente 400 metros por segundo (800 milhas por hora).

Direita: Este mosaico de três imagens é a visão de mais alta resolução já obtida da região do pólo norte de Enceladus.
Crédito: NASA/JPL/Space Science Institute

 

Os dados novos fornecerão uma visão muito mais detalhada sobre as fraturas que modificam a superfície e darão uma significativa aprimorada na comparação entre a história geológica do pólo norte e do pólo sul da lua.

Novas imagens mostram que comparado à maior parte do hemisfério sul de Enceladus --em particular a região sul polar-- a região polar norte é muito mais velha e repleta de crateras de vários tamanhos. Estas crateras foram capturadas em diferentes fases de rompimento e alteração através de atividade tectônica, e provavelmente de um aquecimento passado do subsolo. Muitas das crateras parecem divididas por pequenas rachaduras paralelas que parecem estar presentes ao longo dos terrenos com velhas crateras em Enceladus.

"Estas novas imagens estão mostrando para nós em grande detalhe como o pólo norte da lua difere do sul, uma comparação importante para entender a história geológica obviamente complexa da lua", disse Carolyn Porco, líder da equipe de imagem da Cassini, Instituto de Ciência Espacial, Boulder, Colorado. "E o sucesso do sobrevôo ousado e de muito baixa altitude de ontem significa que o próximo encontro deste verão, quando nós obteremos imagens detalhadas das fontes de superfície dos jatos do pólo sul de Enceladus, deverá ser um excitante 'próximo passo' para o entendimento de como os jatos são criados."

O sobrevôo desta semana e outro planejado para 09 OUT 2008, foram projetados para que os analisadores de partícula da Cassini possam dissecar o "corpo" dos jatos para informar sobre sua densidade, tamanho, composição e velocidade das partículas. Entre outras coisas, os cientistas usarão os dados colhidos esta semana para entender se os gases dos jatos são semelhantes aos gases que compõem o halo de partículas ao redor de Enceladus. Isto pode ajudar a determinar como os jatos se formaram.

Durante a maior aproximação da Cassini, dois instrumentos estavam coletando dados --o Analisador de Poeira Cósmica e o Espectrômetro de Massa Neutra e Íon. Um inexplicado problema no software impediu que o instrumento Analisador de Poeira Cósmica da Cassini coletasse quaisquer dados durante a maior aproximação, embora o instrumento tenha adquirido dados antes e depois da aproximação. Durante o sobrevôo, o instrumento estava trocando entre duas versões do programa. A versão nova foi projetada para aumentar a habilidade de contar os choques das partículas em várias centenas de choques por segundo. Os outros quatro instrumentos de campos e partículas da astronave, além do espectrômetro de massa neutra e íon, capturaram todos os seus dados, que complementarão os estudos da composição global e elucidarão o ambiente sem igual dos jatos de Enceladus.

Os instrumentos da Cassini encontraram evidências de jatos do tipo gêiser em Enceladus no ano de 2005, descobrindo que as erupções contínuas de água de gelo criam um halo gigantesco de poeira de gelo e gás ao redor de Enceladus, o que ajuda a fornecer material para o anel E de Saturno.

Este foi o primeiro de quatro sobrevôos da Cassini sobre Enceladus este ano. Durante o sobrevôo de quarta-feira, a astronave chegou a 50 quilômetros (30 milhas) da superfície durante a maior aproximação, 200 quilômetros (120 milhas) enquanto voava através dos jatos. Futuras viagens podem trazer a Cassini até mais próxima da superfície de Enceladus. A Cassini completará sua missão principal, uma viagem de 4 anos ao redor de Saturno, em junho. Dali em diante, uma missão estendida proposta incluiria mais sete sobrevôos sobre Enceladus. O próximo sobrevôo em Enceladus aconteceria em agosto deste ano.


Texto traduzido do site 
http://www.nasa.gov/mission_pages/cassini/media/cassini-20080313.html

 

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017