Brasil - Quinta, 27 Julho 2017

Messenger - Halos Escuros Descobertos em Mercúrio

traduzido por Luis Gabriel

07 MAR 2008 - As surpresas continuam. Cientistas estudando a coletânea de fotos do sobrevôo de Mercúrio feito pela MESSENGER, em 14 JAN 2008, encontraram várias crateras com estranhos halos escuros e uma cratera com um fundo espetacularmente brilhante.

"Os halos são realmente excepcionais," disse o membro da equipe científica da MESSENGER Clark Chapman do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado. "Nós nunca vimos nada parecido com isto em Mercúrio e sua formação é ainda um mistério."

Considere o seguinte:

As duas crateras na base da imagem estão localizadas na gigante Bacia Caloris de Mercúrio, grande depressão com mil milhas (1.600 quilômetros) formada há bilhões de anos atrás quando Mercúrio colidiu com um cometa ou asteróide. Para se ter idéia da escala, a maior das duas tem aproximadamente 40 milhas (65 quilômetros) de largura. Ambas as crateras têm bordas escuras ou "halos" e a da esquerda está parcialmente coberta com um material brilhante desconhecido.

Chapman apresenta duas possíveis explicações para os halos:

1. A Teoria da Camada do Bolo--poderia haver uma camada de material escuro sob a superfície da Bacia Caloris, resultando em bordas cor de chocolate só ao redor das crateras que atingiram a profundidade certa. Se tal camada subterrânea existir, porém, não pode ser somente na Bacia. "Nós achamos vários halos escuros fora de Caloris também  --por exemplo, duas próximas ao pólo sul de Mercúrio."

2. O Modelo do Vidro de Impacto--a energia térmica dos impactos derreteu parte da superfície rochosa de Mercúrio. Talvez a rocha fundida tenha espirrado para as extremidades das crateras onde tenha se solidificou novamente como uma escura substância vítrea. Semelhantes "derretimentos de impacto" são achados ao redor de crateras na Terra e na Lua. Se esta hipótese estiver correta, futuros astronautas em Mercúrio explorando as bordas das crateras se veriam pisando em campos de minúsculos cacos de vidro.

Chapman destaca que a Lua também tem algumas crateras com halos escuros--"Tycho é um exemplo famoso." Mas os halos lunares tendem a ser sutis e/ou fragmentários. "Aqueles que nós vemos em Mercúrio são muito mais atrativos e distintos."

A diferença pode ser a gravidade. Gravidade lunar é baixa. Qualquer material escuro sendo ejetado de uma cratera na Lua viaja uma grande distância, se espalhando numa difusão que pode ser difícil ver. Por outro lado, a gravidade de superfície de Mercúrio é mais que duas vezes a da Lua. Em Mercúrio, fragmentos não podem voar tão longe; ele pousa de forma concentrada mais próximo ao local do impacto onde pode chamar a atenção do olho humano.

Direita: Outra cratera com halo escuro próximo ao pólo sul de Mercúrio.

Nada disto explica a cratera com fundo brilhante: "Isso é um mistério até maior", disse Chapman. Superficialmente, a mancha brilhante se assemelha a uma expansão de gelo brilhando ao sol, mas isso não é possível. A temperatura da superfície da cratera na hora da fotografia era ao redor 400 graus Centígrados. Talvez o material brilhante faça parte de outra camada sob a superfície, brilho misturado com escuridão; isso seria a Teoria da Camada de Bolo Marmórea. "Eu não ouvi nenhuma explicação realmente convincente de nossa equipe de ciências", ele complementa. "Nós ainda não sabemos o que é este material, por que é tão luminoso, ou por que está localizado nesta cratera em particular."

Felizmente, a MESSENGER pode ter colhido os dados que os pesquisadores precisam para resolver este quebra-cabeça. Espectrômetros a bordo da astronave varreram as crateras durante o sobrevôo; as cores que eles mediram deveriam revelar os minerais envolvidos. "Os dados ainda estão sendo calibrados e estão sendo analisados", disse Chapman.

E se esses dados não derem uma resposta..?

Ainda há mais dois sobrevôo, um em outubro de 2008 e outro em setembro de 2009. Antes da MESSENGER entrar em órbita de Mercúrio em 2011. "Nós chegaremos ao fundo deste mistério" -- e provavelmente muitos mais mistérios ainda serão revelados.

Texto traduzido do site http://science.nasa.gov/headlines/y2008/07mar_strangecraters.htm?list70027

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017