Brasil - Quinta, 27 Abril 2017

Hubble - Hubble descobre que o "décimo planeta" é ligeiramente maior que Plutão

Pela primeira vez, o Telescópio Espacial Hubble observou em detalhes o “décimo planeta”, atualmente apelidado de Xena, e descobriu que ele é somente um pouco maior que Plutão.

Embora observações anteriores feitas de telescópios na Terra sugerissem que o diâmetro de Xena era cerca de 30 porcento maior que Plutão, as observações do Hubble feitas entre 9 e 10 de dezembro de 2005, mostraram que o diâmetro de Xena é de aproximadamente 1.490 milhas (com incerteza de 60 milhas). O diâmetro de Plutão, medido pelo Hubble é de 1.422 milhas.

“O Hubble é o único telescópio capaz de obter uma clara medida na luz visível do diâmetro atual de Xena,” disse Mike Brown, cientista planetário do Instituto de Tecnologia da Califórnia. A equipe de pesquisa de Brown descobriu Xena, oficialmente catalogado como 2003 UB313, e seus resultados foram aceitos para publicação pelo Jornal de Astrofísica.

Somente um punhado de imagens foi necessário para determinar o diâmetro de Xena. Localizado a 10 bilhões de milhas da Terra com um diâmetro de um pouco mais da metade do comprimento dos Estados Unidos, o objeto tem 1,5 pixels de tamanho quando visto pelo Hubble. O suficiente para fazer uma medição precisa de tamanho.

Devido a Xena ser menor que o anteriormente previsto, porém comparativamente mais brilhante, ele deve ser um dos objetos mais reflexivos do sistema solar. O único objeto mais reflexivo é Enceladus, uma lua geologicamente ativa de Saturno cuja superfície é continuamente recoberta por gelo altamente reflexivo ejetado por gêiseres.

A refletividade de Xena é possivelmente devido ao metano fresco congelado em sua superfície. O objeto pode ter tido uma atmosfera quando estava próximo do Sol, mas à medida que foi se afastando esta atmosfera pode ter congelado sendo depositada na superfície como gelo.

Outra possibilidade é que Xena vaze gás metano continuamente de seu interior quente. Quando este metano chega à superfície fria, ele imediatamente congela, cobrindo crateras e outras estruturas tornando-o uniformemente brilhante aos olhos do Hubble.

Xena leva cerca de 560 anos para orbitar o Sol, e está agora bem próximo do afélio (o ponto em sua órbita que ele está mais distante do Sol). Em seguida Brown planeja usar o Hubble e outros telescópios para estudar outros recém-descobertos objetos do Cinturão de Kuiper que são quase tão grandes quanto Plutão e Xena. O Cinturão de Kuiper é um vasto anel de cometas primordiais de gelo e corpos maiores ao redor da órbita de Netuno.

Descobrir que o maior objeto conhecido do Cinturão de Kuiper é um virtual gêmeo de Plutão pode somente complicar ainda mais o debate sobre a possibilidade de categorizar os grandes mundos gelados que povoam o cinturão como planetas. Se Plutão era considerado o menor tamanho para um corpo ser considerado um planeta, então Xena preencheria este requisito também. Ainda é aguardado o nome oficial que será dado pela União Astronômica Internacional para Xena.

Traduzido de texto original da NASA

 

Retorna ao Índice de Artigos

Anúncios





Notícias
Direitos Reservados | Astronomia na Web 1996-2017